Herramientas de usuario

Herramientas del sitio


pt-br:educacao_e_cultura

Diferencias

Muestra las diferencias entre dos versiones de la página.

Enlace a la vista de comparación

pt-br:educacao_e_cultura [2020/01/08 18:24] (actual)
Línea 1: Línea 1:
 +“A educação é um típico “que-fazer” humano, ou seja, um tipo de atividade que se caracteriza fundamentalmente por uma preocupação,​ por uma finalidade a ser atingida. A educação dentro de uma sociedade não se manifesta como um fim em si mesma, mas sim como um instrumento de manutenção ou transformação social. Assim sendo, ela necessita de pressupostos,​ de conceitos que fundamentem e orientem os seus caminhos. A sociedade, dentro da qual ela está, deve possuir alguns valores norteadores de sua prática” (Luckese,​1990). O autor apresenta três tendências filosóficas com relação à interpretação da educação na formas de agir, politicamente,​ no contexto da prática pedagógica:​ a tendência redentora (pedagogia otimista, onde a educação tem poderes praticamente absolutos sobre a sociedade), a reprodutivista (compreende a educação na sociedade de forma crítica e, ao mesmo tempo, pessimista, onde a saída para esta é submeter-se aos seus condicionantes) e a transformadora (compreende a educação dentro de seus condicionantes,​ buscando estratégia para sua transformação)
 +Zotti (2004) ao fazer uma análise histórica entre a proposta educacional e as propostas curriculares oficiais presentes na legislação brasileira e o seu contexto socioeconômico-político afirma:
 +“...a relação entre o contexto socioeconômico-político,​ educação e currículo oficial evidencia-se em todos os períodos. Os currículos oficiais foram adequados aos contextos, especialmente no sentido de garantia dos interesses dominantes, atendendo as necessidades econômicas e políticas, na medida do desenvolvimento da sociedade, conforme os interesses dominantes.”
 +A autora destaca a importância da dialética entre a sociedade e educação e, que um princípio metodológico e uma atitude indispensável na reconstrução e compreensão na história da educação,
 +seria considerar o contexto socioeconômico-político. Esta afirmação vai ao encontro de uma pedagogia transformadora abordada por Luckese.
 +“A educação deve ter como objetivos o pleno desenvolvimento da personalidade humana e o fortalecimento pelo respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais. Ela deve promover a compreensão,​ a tolerância e a amizade entre todas as nações e os grupos religiosos e raciais.”(UNESCO,​ 2001). Complementando esta definição Morin (2003) apresenta que “A educação do futuro deverá ser o ensino primeiro e universal, centrado na condição humana; uma aventura comum conduz os seres humanos, onde quer que se encontrem. Estes devem conhecer-se em sua humanidade comum e ao mesmo tempo reconhecer a diversidade cultural inerente a tudo que é humano.” Segundo o autor, todo conhecimento para ser pertinente deve contextualizar o seu objeto através dos seguintes questionamentos:​ “Quem somos? Onde estamos?De onde viemos? e Para onde vamos?’
 +De acordo com Capra o sistema integrado de valores, crenças e regras de conduta que se associa ao fenômeno da cultura nasce da dinâmica e complexa interdependência entre a formulação de valores e regras sociais de comportamento que são fenômenos sociais gerados por redes de comunicação humana, e a geração contínua de imagens mentais, pensamentos e significados que, por sua vez, também coordena continuamente o comportamento de seus membros. O autor faz um breve histórico do termo cultura, onde este substantivo,​ na antiguidade,​ significava um processo, referindo-se a cultura de cereais ou de animais; no séc. XVI, como extensão metafórica,​ passou a denominar o cultivo da mente humana; no fim do século XVIII, adquiriu o sentido de um modo de vida particular de um povo; no séc.XIX o plural “culturas” passou a designar modos de vidas específicos com o desenvolvimento da antropologia comparada. O uso mais antigo de “cultura” expandiu-se e diversificou-se,​ significando,​ desde um estado desenvolvido da mente (“pessoa culta”) até o processo desse desenvolvimento (atividades culturais). “Os diversos significados de cultura associados ao cultivo da mente coexistem” e segundo Capra, a Colúmbia Encyclopedia define cultura como “o sistema integrado de valores, crenças e regras de conduta adquiridas pelo convívio social e que determina e delimita quais os componentes aceitos por uma dada sociedade.”
 +Seguindo esta definição,​ o autor aponta que a cultura nasce de uma rede, numa dinâmica complexa e não-linear,​ “rede social dotada de múltiplos elos de realimentação através dos quais valores, crenças e regras de conduta são continuamente modificados e preservados.” E, à medida que nasce, impõe limites às ações desses indivíduos”.
 +É interessante observar que “...o desenvolvimento de uma cultura de paz por meio de amplo acesso ao conhecimento,​ só poderá ser atingido mediante um processo educacional que valorize o indivíduo em sua totalidade. A valorização do indivíduo, por sua vez, implica o reconhecimento do outro, que não pode ser concebido a priori como objeto, o que seria uma forma de colonialismo. Além disso, “como a solidariedade é uma forma de conhecimento que se obtém por via do reconhecimento do outro, o outro só pode ser reconhecido enquanto produtor do conhecimento”,​ o que significa um profundo respeito aos saberes, inteligência e cultura de um povo. (UNESCO, 2001).
  
 +REFERÊNCIAS BIBLIOGRÀFICAS
 +
 +Abrindo espaços -Educação e Cultura para a Paz/ Marlova jovchelovitch Noleto, coordenadora – edições UNESCO Brasil 2001
 +
 +CAPRA, Fritjof. As Conexões Ocultas: ciência para uma vida sustentável. Trad. Marcelo Brandão Cipolla..2.ed. São Paulo: Cultrix, 2002. 296p.
 +
 +Luckesi, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1990. Coleção Magistério 2ª grau-formaçãoo do professor. 183p
 +
 +MORIN, Edgar. Os Sete Saberes necessários a Educação do Futuro. Trad. Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2003-b.118p
 +
 +Zotti, Solange Aparecida. Sociedade, Educação e currículo no Brasil: dos jesuítas aos anos de 1980. Campinas, SP: Autores Associados; Brasília, DF: Editora Plano, 2004. 240p 
/var/www/html/lefispedia/data/pages/pt-br/educacao_e_cultura.txt · Última modificación: 2020/01/08 18:24 (editor externo)